Pizza à sexta!


Pizza à sexta!

É saudável

Somos nós que preparamos tudo o que é necessário desde o início (quase).

Não plantamos o trigo para a farinha, mas tudo é por nós preparado.

É tradição

Se é sexta-feira é dia de pizza!

Seja apenas em família, com amigos ou com amigos de amigos é sempre um momento especial.

Há muitos, muitos anos!

É saborosa

Todos os ingredientes são frescos. Usamos massa mãe, farinha forte e só mesmo o atum é enlatado – e às vezes também o milho doce.  

Comer pizza à sexta é um ritual que se instalou na nossa família há muitos anos. Inicialmente, porque gostávamos da iguaria! Depois, porque com o nascimento e crescimento da prole o hábito passou a ser uma “obrigação”.

Os familiares e amigos foram presença constante até ao surgimento da pandemia e era rara a sexta-feira em que não não tínhamos de abrir a mesa e encolher os ossos para todos termos espaço para a degustação da dita. 

À sexta cada um faz a sua pizza – dos mais pequenos aos mais velhos. É sempre motivo de alegria. 

Antes de termos a nossa Cookie – uma cadelinha que resgatámos do abandono, fazíamos habitualmente piquenique no chão da sala para usufruirmos do nosso momento especial.

A sexta tem sido para os nossos filhos, desde sempre, o momento UAU da semana.

O ritual tem início na 5.ª-feira de manhã com a ativação do isco. 

No final do dia preparo a massa e divido-a em bolas e coloco-as, ligeiramente untadas com azeite, num pirex, coberto com película aderente e vai para o frigorífico.

Como o fermento é natural, demora mais tempo a levedar, mas as quase 24h são suficientes para o efeito. Retiro 2 ou 3h antes de as preparar para irem ao forno. Assim levedam mais facilmente à temperatura ambiente. No verão tiro do frigorífico 1h antes.

A massa fica muito fina no centro e fofa na extremidade. O esticar da massa requer treino, mas também se pode usar rolo e isso torna a tarefa mais fácil. Utilizo um forno especial que atinge altas temperaturas e as pizzas ficam bem melhores, à semelhança dos fornos de lenha.